domingo, 11 de julho de 2010

Estrelão vence Bolivar em jogo pouco amistoso

O que era para ser um jogo amistoso neste sábado, nas dependências do estádio Arena da Floresta, entre Rio Branco FC e Bolivar ficou apenas na diplomacia.

Os dois times após mais de um século do fim da "Revolução Acreana" – conflito armado entre Acre e Bolívia, o qual o país andino teve parte de seu território anexado ao brasileiro, tentaram recomeçar um novo conflito, ao menos do campo de jogo, quando os acreanos voltaram a vencer os bolivianos por 2 a 0, gols de Juliano César e Rafael.

Com o cheiro de rivalidade transpirando na peles dos "gladiadores" das duas equipes, o jogo teve dois momentos de pura confusão. O primeiro com um acordo mal elaborado entre os dirigentes que, no entendimento do clube acreano, qualquer jogador expulso poderia ser substituído – uma conspiração a favor do anti-jogo.

O resultado foi um primeiro tempo de partida com apenas 42 minutos, com os dirigentes indo para o vestiário para costurar um novo acordo, anulando o anterior, mas com a permanência de Serginho em lugar de Zé Marco expulso. O segundo, nos minutos finais, quando os bolivianos já com dois gols na mala de viagem para La Paz, apelaram para violência. O árbitro Carlos Ronne cumpriu a regra e mandou o zagueiro Torald para o chuveiro. O beque da equipe andina perdeu a cabeça a tentou agredir a árbitro, que se defendeu da agressão, com o zagueiro deixando o gramado imobilizado pelo policiamento. O goleiro Alex Rosa, também acabou expulso, num outra tentativa de agressão ao árbitro.

Jogo

O Rio Branco começou a partida bem melhor, agredindo o time boliviano. Aos 3 minutos, Testinha mandou a bola para a área. O atacante Juliano César testou com violência, mas o pequeno arqueiro boliviano Evert Farfan, com pouco mais de 1.70cm, mostrou agilidade e saltou para mandar a bola para escanteio.

Com o campeão acreano pressionando, os bolivianos trataram de valorizar a posse de bola, assim evitando mais pressão para o gol de Farfan.

Já adaptado ao gramado, o time boliviano tramou boa jogada pelo lado esquerdo, mas Didi Torrico chutou cruzado, com a bola passando a frente da defesa do Rio Branco. Susto para o goleiro Douglas.

Depois do susto, o Estrelão encontrou o primeiro gol. Testinha foi acionado pelo lado esquerdo. O maestro, de forma inteligente, esperou a movimentação do atacante Juliano César e fez a assistência. O atacante mostrando oportunismo mandando a bola para rede. Estrelão 1 a 0!

Com uma pegada forte, o Estrelão tinha mais posse de bola, enquanto o Bolivar explorava o lado esquerdo de seu ataque, mas era bem viajado pela defesa do campeão acreano, assim com a vitória parcial da equipe local se consolidando.

Na etapa final, o jogo começou pegado e o volante Serginho e Riveira acabaram expulsos ainda aos 3 minutos de partida.

Porém, aos 13 minutos, o segundo gol estrelado esteve perto de acontecer. O atacante Marcelo Maciel fez ótima jogada em velocidade e serviu o atacante Valdir Papel, que testou para a ótima defesa do goleiro Alex da Rosa.

Com o Estrelão aplicado na marcação e o time boliviano apresentando pouca criatividade, as chances de gols foram pouquíssimas na etapa complementar de partida. Porém, aos 42 minutos, num vacilo do goleiro Alex de Rosa, que ficou pelo caminho, o grandalhão Rafael escorou a bola com a cabeça para dentro do gol boliviano.

Sem forças para reagir, os bolivianos apelaram para o jogo violento. O zagueiro Torald acabou foi expulso após atingir um jogador estrelado. Inconformado quis agredir o árbitro Carlos Ronne e acabou retirado de campo pelo policiamento. O goleiro Alex da Rosa foi outro expulso por tentativa de agressão ao árbitro.

Avaliação

Com a vitória diante de uma das equipes mais tradicionais do futebol boliviano, assim como da América do Sul, o técnico Tarcisio Pugliesi deixou o gramado contente. "Fizemos uma boa partida. O time mostrou pegada, disposição, tanto que tenho inúmeras dúvidas para o jogo de estreia contra o Paysandu", comentou o treinador estrelado.

A representação da equipe ocorre nesta segunda-feira, no José de Melo. O técnico Tarcisio Pugliese vai fazer antes da movimentação uma conversa com os jogadores, onde o fator emocional será uma das pautas – Zé Marco e Serginho acabaram expulsos, preocupando o treinador.
Fonte: Manoel Façanha

Nenhum comentário: