sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sala de Memória da rádio Difusora disponiliza acervo histórico

Sala de Memória da rádio Difusora disponiliza acervo histórico Imprimir E-mail
Sala é aberta ao público para visitação e é um excelente ambiente para pesquisa


5015216381_0e4c57b891_z.jpg
memoria_difusora_foto_luciano_pontes_06.jpg
memoria_difusora_foto_luciano_pontes_03.jpg
Sala Memória traz acervo histórico da Rádio Difusora Acreana (Foto: Secom)
Contada há mais de trinta anos a “piada do Cavalo”, é um dos atrativos da Sala de Memória da rádio Difusora Acreana. Um espaço único criado para reunir o acervo de 67 anos de história da Voz das Selvas, a cultura popular brasileira, a Era de Ouro do Rádio, além de música popular. A piada do Cavalo era executada sempre aos domingos durante o programa Miscelânea Musical, que tinha como âncora o radialista J. Conde. “Esta poderia ser considerada a piada que as pessoas mais gostavam, e a que ficou no ar por mais tempo. Ela retrata a linguagem e a esperteza das pessoas que moram no campo. A rádio recebia muitos pedidos para que a piada fosse contada todos os domingos, e por isso faz parte do acervo da Sala de Memória que se propõe a contar os melhores momentos da história da Voz das Selvas”, contou a diretora da rádio Jacira Abdon.
Ouça aqui a piada:

A Sala é aberta ao público para visitação e é um excelente ambiente para pesquisa. A entrada é gratuita, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, e fica localizada na própria rádio Difusora Acreana. Quem visita o espaço além de ter acesso a um acervo especial, conhece ainda a história da rádio, com a exposição de vários equipamentos que foram sendo utilizados ao longo dos anos, como uma mesa de transmissão valvulada. E ainda relíquias como o Rádio Zenith - atualmente com apenas 2 modelos encontrados no Brasil pela internet; um gravador e reprodutor Tuscam 34B e um Lloyd's, um dos primeiros gravadores móveis produzidos ainda com fita separada em dois rolos.
As paredes da Sala de Memória ganharam como decoração reproduções dos discos de vinil que estão disponíveis para audição, além de um mural com cartas e postais de ouvintes de várias partes do mundo. Os momentos mais marcantes da rádio foram registrados em fotografias que também fazem parte do acervo.
O acervo de discos de vinil é outro convite aos amantes da boa música e do resgate da história do Acre contada por décadas pela rádio mais antiga do Estado. Podem ser encontrados os discos de Chico Buarque, Ney Matogrosso, Waldick Soriano (em uma edição limitada), Abba, Nirvana, Tina Tuner e tantos outros.
Fonte: Agencia de Noticias do Acre

Nenhum comentário: