quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Adriano quer voltar ao Flamengo em junho

adriano embarque (Foto: Eduardo Peixoto/Globoesporte.com)Adriano retorna à Itália com o Flamengo na cabeça
(Foto: Eduardo Peixoto/Globoesporte.com)
A temporada europeia ferve com as oitavas de final da Liga dos Campeões e rodadas decisivas nos campeonatos nacionais. Enquanto isso, Adriano encerrou na noite de quarta-feira o segundo período de “licença” no Rio de Janeiro em menos de dois meses. Tipoia no braço, um abraço de até breve nos amigos e o embarque para Roma de cara fechada ao lado do primo Rafael foram as últimas cenas de um jogador que está estafado da Europa e não vê a hora de retornar ao Flamengo. Na despedida, ele levantou a voz para dizer que não daria entrevista porque inventavam muitas coisas sobre a vida dele.
Reação repetida. Na última visita ao Rio de Janeiro teve comportamento semelhante. Adriano embarcaria dia 28 de dezembro, mas adiou algumas vezes, se esmerou nas desculpas e conseguiu ficar no Rio  até o dia 3 de janeiro. Saiu do aeroporto Tom Jobim avisando que voltaria ao Flamengo em junho. Quando desembarcou no saguão do Fiumicino, em Roma, voltou atrás e disse que a entrevista era inventada. Contudo, nas rodas de amigos ele admite o desejo.
Na festa de aniversário de 29 anos dele, quinta-feira passada, o próprio anfitrião avisou aos convidados que retornaria ao Rubro-Negro e traria na bagagem o zagueiro Juan. Para tal, será necessária uma estratégia de convencimento à diretoria e ao técnico Vanderlei Luxemburgo. A presidente Patrícia Amorim é maleável e, desde que haja compromisso com o profissionalismo pontuado por cláusulas contratuais, aceita conversar.
No entendimento do jogador não há nada que o seduza em Roma. Ele virou motivo de piada nos jornais, para os torcedores é apenas um fantasma no elenco e o novo treinador, Vicenzo Montella, não tem interesse na permanência dele. O contrato vai até 2013, mas há vontade das duas partes em abreviá-lo. Adriano está convencido de que não voltará a ser feliz na Europa. Nem o suporte familiar tem mais. A tentativa de reaproximação com Danielle, mãe de seus dois filhos (Adrianinho e Sophia) não deu certo e ele vive sozinho na capital italiana (amigos lhe fazem companhia em alguns períodos).

Por Eduardo Peixoto Rio de Janeiro

Nenhum comentário: