terça-feira, 10 de julho de 2012

STJ "lava as mãos": Treze é mantido e Rio Branco excluído da Série C

 
Brasília, DF, 10 (AFI) – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) “lavou as mãos” no imbróglio jurídico entre Treze e Rio Branco-AC por uma vaga no Campeonato Brasileiro da Série C. Na tarde desta terça-feira, o STJ decidiu que não entrará no mérito, o que mantém a decisão da juíza Ritaura Santana, da 1ª Vara Cível Federal de Campina Grande (PB), de manter o time paraibano na competição e excluir o clube acreano.

Como o STJ optou por se abster, a decisão da Justiça da Paraíba irá prevalecer e as decisões das Justiças do Acre e de Tocantins serão desconsideradas. Por ter ocorrido conflito de competência, ou seja, mais de um juiz julgou o mesmo assunto, o STJ determinou que fosse mantido o juiz que julgou o caso primeiramente, no caso Ritaura Santana, da Paraíba, justamente onde está o clube beneficiado.
O STJ também decidiu que só pretende entrar no mérito no “Caso Treze x Rio Branco” a partir de agosto. Sendo assim, como a decisão válida é a da Justiça da Paraíba e a juíza Ritaura Santana mantém a decisão favorável ao Galo paraibano, a CBF será obrigada a manter o clube na Série C e excluir Estrelão, sob a pena de e R$ 200 mil/dia por seu descumprimento.

Como fica o cenário

 Uma possibilidade para o Rio Branco seria acionar o Supremo Tribunal Federal (STF), que tem alçada superior ao STJ. No entanto, joga contra o clube do Acre o fato de que os ministros estão de férias neste mês de julho, além do STF estar julgando casos mais relevantes como o “Caso Cachoeira”, envolvendo suposta corrupção de muiots políticos.
Desta feita, como o “Caso Treze x Rio Branco” só deve entrar em pauta a partir de agosto no STJ e, possivelmente, se estenderá pelos meses seguintes, a participação do Rio Branco está praticamente descartada, na temporada 2012.
Apesar disso, o Galo paraibano ainda corre o risco de sofrer punições na esfera desportiva, quando todo o caso for encerrado. Por ter acionado a Justiça Comum o clube pode sofrer sanções da Fifa, como a proibição de participar de competições oficiais por até dois anos.
Enquanto este imbróglio continua em aberto, o Treze continua a ter seu direito de disputar a Série C garantido. Se nada nenhuma decisão extraordinária surgir até o final de semana, o clube enfrentará o Santa Cruz, no próximo sábado, às 16 horas, no Estádio do Arruda, em Recife, pela 3ª rodada. Até agora, o time é o lanterna da competição, sem ponto algum. Sinal de que nem a sua diretoria esperava ter sucesso tão grande como esta briga jur´dica, a ponto de não se preparar adequadamente para a competição.

Entenda a novela

 Cinco clubes começaram a disputar duas vagas na terceira divisão nacional. O Santo André travou batalha judicial contra o Brasil, de Pelotas. O time gaúcho havia sido desclassificado da Série C por ter escalado um jogador irregular. O time do ABC paulista entrou com uma ação no STJD para paralisar tanto a Série C quanto a Série D. O Ramalhão, porém, conseguiu derrubar a liminar que incluía o time pelotense na competição e conquistou a vaga.

A outra parte da novela foi protagonizada por três clubes: Treze, Rio Branco e Araguaína. O time do Acre teria perdido a vaga na competição após ter usado a justiça comum no ano passado para liberar a Arena da Floresta. O fato fez com que Treze e Araguaína pleiteassem pela vaga. Após várias batalhas jurídicas, o Araguaína desistiu da vaga e decidiu disputar a Série D do nacional.

Agência Futebol Interior

5 comentários:

Anônimo disse...

As autoridades acreanas tem que se mobilizarem. Não acredito que tamanha injustiça esteja acontecendo e ninguém faz nada. Meu sentimento é de decepção com a justiça brasileira.

Anônimo disse...

voces fazem um acordo ilegal e querem ter razão?

Joab Rocha disse...

Que o senador Aníbal Diniz se pronuncisse defendendo o Rio Branco é louvável e legítimo,o problema é que o político não soube mostrar sua indignação com palavras que mantivessem o mesmo teor de denúncia sem no entanto usar definições que dessem brechas para serem interpretadas como desrespeitosas à magistratura.resultado:como o judiciário é corporativista,o juiz voltou atrás em sua própria decisão e praticamente excluiu o Rio Branco.Na proxima Senador,use a razão,e não nos prejudicará tanto

Anônimo disse...

AGORA É HORA DA SENHORA ALESSANDRA MARQUES SE PRONUNCIAR, ELA SIM É A MAIOR CULPADA DO RIO BRANCO ESTA NESTA SITUAÇÃO. NÃO TEM CONHECIMENTO DO FUTEBOL BRASILEIRO, NÃO CONHECE OS ESTÁDIOS POR ISSO COMPLICOU O RIO BRANCO E O FUTEBOL ACREANO EM GERAL, AGORA ACHO QUE ELA DEVE ESTAR SUPER SATISFEITA, PARABÉNS PROMOTORA...

Anônimo disse...

como diz um amigo meu muito conhecido, essa justiça "ME MATA DE VERGONHA" é muita falta de respeito não só com a entidade Rio Branco Futebo Clube mas com todo o Estado do Acre.