quinta-feira, 15 de maio de 2014

De Kaká a Tevez, veja quem perderá a Copa por opção técnica

Não são só as lesões que tiram grandes jogadores de uma Copa do Mundo. Os treinadores, com suas convicções, também podem ser “carrascos” de atletas com peso para o futebol mundial. Na 20ª edição do torneio, em 2014, não será diferente: atletas famosos ficaram de fora das seleções e terão que assistir ao Mundial pela televisão.




Kaká (Brasil): O experiente meia recuperou o bom futebol no Milan, mas não convenceu Luiz Felipe Scolari de que poderia integrar a lista dos convocados para a Copa. Desde que o técnico pentacampeão mundial voltou à Seleção, em novembro de 2012, o camisa 22 do time italiano jogou apenas contra Rússia e Itália, mas não convenceu. 
Robinho (Brasil): Apesar de reserva no Milan, o atacante foi bem nas duas únicas partidas para as quais foi convocado (Honduras e Chile). Era cogitado para estar entre os 23, mas, no fim, ficou de fora até dos 30 pré-selecionados pelo comandante brasileiro.

Robinho ficou de fora da lista de Felipão
Foto: Getty Images
Miranda (Brasil): É o principal nome da forte defesa do Atlético de Madrid, finalista da Liga dos Campeões da Europa e líder do Campeonato Espanhol, mas perdeu lugar para Henrique, do Napoli, entre os convocados por Felipão. Acabou chamado apenas para a “lista de espera” do treinador, que só o levará à Copa caso algum defensor tenha que ser cortado.
publicidade
Lucas (Brasil): De talento indiscutível, o meia-atacante do Paris Saint-Germain nunca repetiu as boas atuações dos tempos de São Paulo na Seleção Brasileira. Assim, esgotou a paciência de Felipão, que só o chamou para a lista de sete jogadores que podem ir à Copa após algum imprevisto.
Philippe Coutinho (Brasil): Apesar de ter apenas 21 anos, foi titular do surpreendente Liverpool, vice-campeão inglês, durante toda a temporada e era cogitado para ir à Copa. Felipão, contudo, não o chamou sequer para a “lista de espera”.
Carlos Vela (México): Destaque da Real Sociedad, da Espanha, o atacante é um dos únicos jogadores da atual geração mexicana a brilhar fora do país. Disputou a Copa de 2010 e esteve na lista dos dez melhores atacantes do último Campeonato Espanhol. Porém, não mostrou vontade de defender a seleção nacional e foi barrado pelo técnico Miguel Herrera.
Carlos Vela é, ao lado de Chicharito Hernández, o principal nome do futebol mexicano atualmente (Foto: Getty Images)
Álvaro Arbeloa (Espanha): Era o titular da lateral direita do Real Madrid e da seleção espanhola até sofrer uma grave lesão no joelho direito, no início deste ano. Ele teria tempo para se recuperar à tempo de disputar a Copa, mas não foi convocado por Vicente Del Bosque - o que o fez se aposentar do selecionado nacional ainda aos 31 anos.
Roberto Soldado (Espanha): Foi o centroavante titular da Espanha na Copa das Confederações, mas caiu de rendimento após se transferir do Valencia para o Tottenham, no meio do ano passado. Na seleção, perdeu espaço para o brasileiro Diego Costa, que se naturalizou espanhol, e foi preterido por Fernando Torres, Alvaro Negredo, Fernando Llorente e David Villa.
Emmanuel Eboué (Costa do Marfim): Ex-jogador do Arsenal, o lateral direito, atualmente no Galatasaray, é um dos líderes da melhor geração marfinense da história, mas não foi lembrado pelo treinador Sabri Lamouchi para disputar a Copa. Aos 30 anos, foi a principal ausência da lista da envelhecida seleção africana.
Loco Abreu (Uruguai): Atualmente no Rosário Central, da Argentina, o atacante de 37 anos se prepara para encerrar a carreira e foi a principal baixa da seleção uruguaia para a Copa. Ele viajou à África do Sul para disputar o Mundial de 2010 e, na ocasião, converteu o pênalti que levou a seleção celeste para a semifinal.

Ashley Cole foi avisado por telefone de que não seria convocado
Foto: Getty Images
Ashley Cole (Inglaterra): O lateral esquerdo, apesar dos 33 anos, vinha se alternando na titularidade do Chelsea com o espanhol César Azpilicueta, mas foi avisado via telefone por Roy Hodgson de que não iria para a Copa do Mundo. O técnico explicou a necessidade de renovação, e Cole aceitou a ausência. Depois, anunciou a sua aposentadoria da seleção inglesa.
Alberto Gilardino (Itália): O atacante anotou 15 gols pelo Genoa nesta temporada e esteve nas duas últimas Copas do Mundo, em 2006 e 2010. Porém, aos 31 anos, foi preterido por jogadores como Cerci, Immobile e Destro.
Luca Toni (Itália): Assim como Gilardino, não conseguiu convencer o treinador Cesare Prandelli de que poderia jogar a Copa do Mundo. Destaque na campanha do título mundial de 2006, ele teve bom desempenho pelo modesto Hellas Verona nesta temporada, anotando 20 gols, mas os 37 anos pesaram para a sua ausência.
Francesco Totti (Itália): Também foi peça fundamental para o tetra da Itália, há oito anos, mas já tem 37 anos. Perto da aposentadoria, chegou a dizer que não jogaria mais pela seleção azurra, mas, recentemente, acenou com a possibilidade de disputar a sua última Copa do Mundo. Cesare Prandelli, entretanto, optou por deixar o meio-campista planejando o fim de sua gloriosa carreira em Roma.
Nasri (França): É titular do poderoso Manchester City e, inclusive, anotou o gol que abriu o caminho para o segundo título inglês da equipe nos últimos três anos. No entanto, as polêmicas nas quais se envolveu durante a Eurocopa de 2012 - quando reclamou ao ser substituído em uma partida - fizeram o técnico Didier Deschamps vetá-lo do principal torneio de futebol do planeta.
Gael Clichy (França): Também foi campeão inglês com o Manchester City, mas acabou preterido pelo jovem Lucas Digne, do Paris Saint-Germain, e pelo experiente Patrice Evra, do Manchester United. Aos 28 anos, ele pode nunca mais ter a chance de disputar uma Copa do Mundo.
Carlos Tevez (Argentina): É titular da Juventus e, aos 30 anos, anotou 19 gols nesta temporada. Porém, não tem boa relação com Lionel Messi e com o técnico Alejandro Sabella, que, desde que chegou ao comando da seleção argentina, em 2011, nunca convocou o atacante. Em seu lugar, o treinador chamou Franco Di Santo, atualmente no Werder Bremem, e que, nos últimos três anos, só marcou 16 gols.
Messi e Tevez na seleção argentina: de amigos a desafetos (Foto: Getty Images)
Javier Pastore (Argentina): Teve uma temporada de altos e baixos no Paris Saint-Germain, mas possui qualidade suficiente para atuar em muitas outras seleções desta Copa do Mundo. Não encontrou espaço, porém, em uma Argentina estrelada do meio para frente
Mario Gomez (Alemanha): Atualmente na Fiorentina, o atacante ficou a maior parte da temporada no estaleiro por causa de uma lesão no joelho, mas poderia ter sido convocado para a Copa do Mundo. O treinador Joachim Low, porém, preferiu não chamar o centroavante, que verá de longe o seu companheiro Mirloslav Klose tentar se tornar o maior artilheiro da história do torneio.
Ter Stegen (Alemanha): Provável reforço do Barcelona para a próxima temporada, o jovem goleiro de 22 anos teve desempenho irregular pelo Borussia Monchengladbach neste ano e ficou de fora da lista de Joachim Low. O comandante alemão chamou Manuel Neuer, Roman Weidenfeller e Ron-Robert Zieler para a posição.
Andrey Arshavin (Rússia): Destaque da surpreendente seleção russa semifinalista da Eurocopa em 2008, o meia, ex-Arsenal, não se firmou como um dos líderes do elenco do Zenit St.Petesburgo nesta temporada. Desta forma, aos 32 anos, não foi convocado pelo técnico italiano Fabio Capello.
Roman Pavlyuchenko (Rússia): Também tem 32 anos e, assim como Arshavin, foi bem na Eurocopa de 2008. Entretanto, caiu de rendimento nos últimos anos e joga apenas no modesto Lokomotiv Moscou. Terá que trabalhar para, aos 36, estar na lista russa de 2018, quando o país sediará o Mundial.
Destaque na Eurocopa de 2008, Andrey Arshavin não estará na Copa de 2014 (Foto: Getty)

Bruno Landi 

Nenhum comentário: